Cartão de visita está fora de moda?

Imagina só: você vai a um grande evento e um dos principais palestrantes fala, durante a sua apresentação, que está precisando de um novo funcionário na sua empresa e que está aberto a indicações. Pode acontecer, também, de você conhecer um grupo de pessoas durante o coffee break e se identificar tanto com elas que gostaria de iniciar um projeto juntos.

Como você vai se conectar com essas pessoas? Como você vai mostrar que o seu trabalho pode ser útil ao que elas estão precisando? É impossível fazer isso durante o evento, afinal, têm centenas de pessoas ali com o mesmo objetivo que você e muito dificilmente você conseguirá ter uma longa e construtiva conversa naquele ambiente. Em situações como essas, as conversas são mais breves.

A saída, então, é uma só: você precisa conversar com essas pessoas em um outro momento, em um outro lugar. Talvez no dia seguinte ao evento, se você der sorte. Aí, sim, você terá um tempo exclusivo para mostrar tudo o que tem a oferecer.

Mas a pergunta que não quer calar é a seguinte: como essas pessoas vão me encontrar depois? Como eu entrarei em contato com elas?

Bom, a resposta é simples e vem sendo usada há muito, muito tempo: trocando cartões de visita. Os cartões de visita são a maneira mais prática e simbólica de se apresentar a outra pessoa. Além disso, são uma maneira fácil de trocar contatos: sem precisar de quase nenhum esforço, você passa o seu número de telefone, seu email e o endereço da sua empresa para outras pessoas, além, do mais importante, a sua área de atuação.

Assim, fica fácil te encontrar depois e você poupa todo aquele tempo de anotar seu número, seu nome e sua empresa – e ainda diminui os riscos da pessoa se esquecer de te procurar, afinal, ela estará com seu cartão em mãos.

Mas agora você deve estar se perguntando: “cartão de visita ainda é algo real? As pessoas usam isso hoje em dia? Achei que os celulares haviam tirado a utilidade dos tão antigos cartõezinhos…”

Sim, os cartões de visita ainda são úteis e têm um importante papel na percepção de valor da sua marca pessoal.

Um profissional bem preparado anda sempre com cartões de visita na carteira –  independente se está em um grande evento, em uma palestra, em uma simples reunião ou até mesmo na fila da padaria, afinal, você nunca sabe quando aparecerá uma boa oportunidade de negócios.

Eu mesma já fechei grandes contratos com pessoas que conheci em lugares completamente aleatórios e inusitados… Até mesmo em salões de beleza e filas de mercado. Então anote a dica: não ter um cartão profissional pode atrapalhar a sua marca pessoal e o desenvolvimento da sua carreira.

Talvez você ache melhor não levar cartão e trocar suas redes sociais com a pessoa. Mas e se o sinal estiver ruim? E se acabar a bateria? Se você seguir tantas pessoas e acabar não se lembrando daquelas que tiveram interesse em realizar uma reunião futura? As ferramentas online são extremamente importantes e facilitam muito as conexões, mas não devem excluir o bom e velho cartão de visita.

Tenha um cartão elegante, impactante, que imprima a sua essência. Mas lembre-se sempre: cartão de visita não é panfleto “político”, então não entregue para todas as pessoas que avistar. Isso é invasivo e você pode acabar passando uma imagem não muito positiva.

Além disso, é importante que você saiba com quais pessoas você quer se conectar e foque na qualidade das conexões e não na quantidade de pessoas de você deseja entregar o seu cartão. Não foque em uma grande quantidade de conexões, foque na qualidade e na profundidade delas!

Quer saber um pouco mais do assunto e conferir o jeito divertido que eu entrego meus cartões? Veja o vídeo abaixo:

Você não está autorizado a visualizar esta parte
O campo App IDotherwise your plugin won't work.
Deixe um comentário

Comentar post