O MUNDO MUDOU E O MERCADO ESTÁ IRREDUTÍVEL

Comportamento Altera Faturamento

Vou começar fazendo uma pergunta ousada e talvez até um pouco dolorida: até quando a sua empresa vai continuar perdendo clientes por não possuir uma equipe com uma Imagem Pessoal e Postura Profissional adequada e alinhada à cultura da marca? Até quando a sua empresa continuará correndo esses riscos por não gerenciar estrategicamente a Marca Pessoal da sua equipe? 

É preciso tomar muito cuidado! A imagem que seus funcionários transmitem pode funcionar como um repelente de clientes e, muitas vezes, você nem se dá conta disso. MAS ELA PODE, TAMBÉM, SER UM FORTE ATRATIVO PARA POTENCIALIZAR OS RESULTADOS  DA SUA EMPRESA.

Trabalhar a Marca Pessoal da sua equipe é crucial para a sobrevivência e crescimento da sua empresa no novo mercado, que está cada dia mais concorrido, pautado pelo consumo consciente, orientado pelo propósito e tendo as RELAÇÕES COMO CENTRO DE TUDO.

HOJE, AS RELAÇÕES DE CONSUMO SÃO ORIENTADAS PELO PROPÓSITO.

Novos tempos exigem novas habilidades e atitudes.

Na era do cancelamento, cuidar da marca pessoal da sua equipe é indispensável para a da sua empresa.

Vivemos novos tempos. Estamos em uma nova era onde o fator consciência foi adicionado nas relações de consumo. Depois disto tudo mudou…

Em função desta mudança está acontecendo um movimento muito importante: as EMPRESAS ESTÃO SE HUMANIZANDO. Todos os dias vemos grandes empresas gastando fortunas para parecer pequenas. Vemos, também, publicidades que não estão “vendendo nada”, estão apenas conectando e emocionando. Ou seja, as empresas estão fazendo de tudo para darem um atendimento especial e mais humanizado para seus clientes.

Veja aqui como a União vende muito mais do que açúcar em uma publicidade de tirar o fôlego:

Agora, preparem os lencinhos para este exemplo de uma rede de Supermercados  do Grupo Zaffari:

Impossível colocar apenas um. Segura o fôlego que vem mais outro:

Uau! É de ficar sem palavras, né?

Talvez neste momento você esteja pensando que estratégias como estas são utilizadas apenas por grandes empresas. E a resposta é não! Por mais que o Grupo Zaffari até seja grande, ele não chega a ser um gigante no segmento, chega a ser desconhecido em boa parte do Brasil. O que importa é que a emoção, hoje em dia, está presente em muitos negócios de todos os tamanhos.

Veja mais este exemplo de um pequeno Ateliê de Madeira de Brumadinho:

https://www.instagram.com/p/CKd3KImJTCp/

Nesta nova era, as emoções estão sendo o centro de atenção nas relações comerciais. Comportamento que marca um movimento mundial, que pode ser confirmado em mais esta publicidade:

Complemento com mais este:

Por fim, veja a visão extraordinária que está por trás de tudo:

Viu? Percebe que os clientes não querem apenas seus produtos e serviços? Eles são apenas  meio para algo maior. Eles vão curar uma dor do seu cliente ou até realizar um sonho dele.

Como complemento, ainda existe outro movimento muito importante que está acontecendo: AS PESSOAS SE PROFISSIONALIZANDO, ou seja, o mercado está cada vez mais concorrido e exigente. Em função disto, não existe mais espaço para profissionais amadores. Todos que desejam ter sucesso a médio e longo prazo precisam se perceber como AGENTES DE TRANSFORMAÇÃO e serem os protagonistas das suas próprias carreiras. Não tem mais espaço para aqueles que querem ser apenas “meros funcionários”, “aqueles que funcionam”. O mercado agora pede que os colaboradores sejam aqueles que TRANSFORMAM e que PROTAGONIZAM, que além de funcionar, vão além: encantam, emocionam, abraçam a causa da empresa e geram oportunidades de lucros cada vez mais impressionantes para elas.

Dentro deste movimento, as habilidades relacionais e a reputação são a bola da vez. O sucesso de pessoas e empresas dependem da reputação. 

É fato: ou aprendemos a nos relacionar de uma forma diferenciada ou ficaremos fora do jogo. Neste novo contexto, os clientes querem mais do que produtos e serviços, eles querem ser encantados e viver experiências únicas. 

Como solução, as relações são vistas como a porta de entrada para o sucesso empresarial em um cenário cada vez mais exigente e seletivo.

“Leia mais romances e menos livros sobre negócios.

Os relacionamentos são tudo.”

Tom Peters

Fonte: https://bit.ly/3H3UeqP

Quando falamos em relacionamento, a reputação tem peso de ouro. E como se mede a reputação de uma empresa? Existem diversos meios, mecanismos sofisticados e modernos para fazer isto, mas não podemos esquecer de algo bem simples: a reputação de uma empresa se dá pela soma da reputação das pessoas que compõem o quadro de colaboradores. E aí vem uma pergunta especial: quem chega primeiro, a REPUTAÇÃO ou a PESSOA?

A reputação não está sob o controle de uma pessoa. Ela é o que as pessoas percebem a  respeito do outro e das experiências que tiveram com o outro.

Gosto falar da reputação pessoal conectando com a analogia trazida por Martha Gabriel, uma grande especialista em Marketing. Ela diz que devemos ter o mesmo raciocínio que temos para gerenciar a nossa conta bancária, temos sempre que cuidar de três aspectos principais: crédito, débito e saldo. Ela nos lembra que todas as nossas ações acrescentam ou diminuem o nosso estoque de reputação, funcionando como uma conta de banco com débito, crédito e saldo. Por isso, temos que sempre avaliar qual o peso e a influência que cada ação, por menor que seja, terá no seu controle de caixa.

Somos humanos, falhamos e temos que ter sempre um saldo confortável para que, quando precisarmos fazer um saque, ele ainda deixe a nossa conta no azul.

O mundo atual é pautado por relações líquidas. OS CLIENTES AMAM E ODEIAM COM A MESMA FACILIDADE E INTENSIDADE. Em uma realidade 100% conectada, a reputação das empresas está em jogo a todo momento e fica à mercê da validação dos clientes, que a qualquer momento podem COMEÇAR MOVIMENTOS VIRAIS QUE PODEM BENEFICIAR OU PREJUDICAR SERIAMENTE A REPUTAÇÃO DE UMA EMPRESA. 

Já sabemos que a reputação de uma empresa se dá, em sua maior parte, pela soma da reputação de cada colaborador, independente do cargo que ocupa. Afinal, como vimos recentemente nas fortes crises de imagens vividas por empresas como Carrefour, elas não foram iniciadas por comportamentos de profissionais da alta gerência. Hoje, qualquer funcionário tem o poder de gerar impactos positivos ou negativos no espaço onde trabalha.

Sabemos que algumas questões do Carrefour e de outras empresas vão além da boa postura e envolvem o racismo estrutural, homofobia, discriminação situações que tornam a crise ainda mais grave e complexa, envolvendo o universo da inclusão e da diversidade, que são questões diferentes… 

Agora, lembra deste caso abaixo? Um funcionário da Latam estava de férias na Rússia, do outro lado do mundo. Se a empresa não agisse rápido, ela teria sua imagem completamente comprometida, pois os clientes cobrariam qual seria a posição da marca se ela iria aceitar aquela postura adotada pelo funcionário, se ela apoia…Não demitir o funcionário seria o mesmo que concordar com a atitude desrespeitosa dele. Seria o mesmo que dizer que a Tam também não respeita as mulheres.

Loucura? É complicado. Acredito que, em partes, o mundo está um pouco louco, mas essas são as consequências de um mundo extremamente conectado, onde o consumo é orientado por valores e propósitos, que não vale mais qualquer coisa e que é preciso RESPEITO ACIMA DE TUDO E TODOS.

NÃO TEM COMO FUGIR. TEMOS QUE SABER INTERAGIR, AGIR E, PRINCIPALMENTE, PREVENIR. A cultura do CANCELAMENTO não está brincando, este movimento está cada dia mais forte E IRREDUTÍVEL.

Estes cases acima chegaram para mim enquanto fazia a revisão final do artigo, infelizmente todo dia tem uma situação nova…

O mais louco de tudo é que, mesmo sabendo que o centro de grande dos problemas e também das soluções são os pilares de uma Marca Pessoal, treinamentos para  valorizar a postura, a imagem pessoal, o posicionamento digital, o marketing pessoal, o networking e a diferenciação ainda não são priorizados dentro das empresas.

Para mim, este é um dos maiores erros que as empresas cometem atualmente. Afinal, as empresas em sua maioria só investem em treinamentos de vendas, técnicos, liderança e motivacionais e esquecem que são as RELAÇÕES QUE SUSTENTAM ou desmoronam as vendas de uma empresa.  Treinamentos de Imagem Pessoal, Postura Profissional, Reputação e Comportamento nunca são os mais valorizados, até que o caos se instale e a bomba rapidamente estoure.

Fonte: https://www.profissionaissa.com/

As empresas esquecem que COMPORTAMENTO ALTERA FATURAMENTO e, quando eu digo altera, é importante ressaltar que esta alteração pode ser tanto POSITIVA QUANTO NEGATIVA. E aí eu te pergunto: quanto a sua empresa está investindo em treinamentos comportamentais? De imagem Pessoal? De postura profissional? Qual o valor e a atenção que a sua empresa dá para a Marca Pessoal da sua Equipe?

Vai confiar cegamente a reputação da sua empresa à sua equipe sem prepará-los, sem ajudá-los a entender o novo jogo e sem alinhar expectativas?

Vale ressaltar que as crises de Imagens não são provocadas somente pela alta gerência de uma empresa. Qualquer ação de qualquer pessoa da sua equipe pode afetar o seu negócio e refletir no seu faturamento. E as suas origens muitas vezes tem causas mais complexas que vão além da Marca Pessoal.

TODAS ESTAS TRAGÉDIAS ACONTECERAM EM OUTRAS EMPRESAS, MAS TALVEZ PODERIA TER ACONTECIDO COM A SUA…

Centenas de empresas que tiveram sua reputação abalada não podem voltar atrás e escrever uma nova história. Estas histórias terríveis muitas vezes não estão mais na boca do povo, mas estão na boca do Google. Basta um clique e todas voltam à tona, pois, depois do Google, não existe mais essa de passado morto e enterrado. Muito pelo contrário, tudo fica eternizado.

Vamos fugir desta situação? A sua empresa tem a oportunidade de expandir a visão e trazer treinamentos inovadores. Apostando nesta vertente, você vai sair na frente e se destacar da maioria das outras empresas que ainda não acordaram para estas novas necessidades.

A gestão estratégica da Marca Pessoal não é um trabalho recente, mas ainda é novidade para muitos profissionais. Os profissionais autônomos e empresários já se deram conta que, neste novo mundo, não basta apenas ser competente e dedicado para se fazer sucesso. É indispensável se perceber e se gerenciar como Marca Pessoal, mas os profissionais das empresas, em sua maioria, ainda não se deram conta que negligenciar o gerenciamento da sua Marca Pessoal pode trazer sérios prejuízos para eles e para a empresa para a qual trabalham.  NÃO DEIXE A SUA EMPRESA CORRER ESTE RISCO.

NOVOS TEMPOS PEDEM NOVOS TREINAMENTOS E NOVAS HABILIDADES

E por que tudo isso mudou? Talvez esta seja a sua dúvida neste momento. Dentre várias causas, posso dizer que as principais são relacionadas às vendas. Afinal, hoje não acontece mais troca de produtos e serviços puramente por dinheiro. As vendas nesta nova era onde as relações comerciais são pautadas pelo consumo consciente são consequências de um alinhamento de valores. O propósito de tudo é fundamental.

Trago aqui algumas brilhantes colocações e resultados de uma pesquisa super rica realizada pela Accenture, uma das maiores empresas de consultoria do mundo:

Veja o descritivo resumido da pesquisa:

“Os consumidores nos Estados Unidos não estão mais tomando decisões com base apenas na seleção ou no preço do produto; eles estão avaliando o que uma marca diz, o que ela faz e o que ela representa. Eles apoiam empresas cujo propósito de marca está alinhado com suas crenças. E eles rejeitam aqueles que não o fazem, com um em cada cinco indo embora para sempre.

As expectativas dos consumidores de que o propósito da marca se alinhará com seus valores representam um desafio para as empresas americanas. Mas as expectativas para o propósito da marca também representam uma oportunidade para as empresas construírem relacionamentos mais diferenciados, autênticos e lucrativos.”

“Empresas com objetivos específicos melhoram a competitividade”

Esta pesquisa é tão importante e reveladora que deixo aqui o link para que possa ter acesso a ela por completo:  https://www.accenture.com/us-en/insights/strategy/brand-purpose

Neste novo mercado, o cuidado com as relações é de extrema importância. As pessoas não estão querendo mais ter apenas a posse dos bens. O foco não é mais TER, mas, sim, VIVER EXPERIÊNCIAS INCRÍVEIS. Por isso, temos que proporcionar condições e um ambiente emocional único. Com isso, as pessoas viram o centro do centro das atenções e a sua equipe é e cada será o seu ativo mais valioso.

“100% dos clientes são marcas pessoais. 100% dos funcionários são marcas pessoais. Se você não entende de marcas pessoais, você não entende de negócios”

Inspiração e adaptação da frase de simon sinek

Quando falamos em inovação, erroneamente às vezes pensamos em máquinas e tecnologia, mas, neste momento frio e distante que estamos vivendo, inovar é emocionar e humanizar.

Quando falamos de pessoas, relações, inovação e emoção, tudo nos leva à gestão Estratégica da Marca Pessoal.

Já imaginou que, neste exato momento, algum cliente pode estar falando de algum dos seus colaboradores? Você tem noção de como eles estão sendo descritos? Vamos falar sobre isso?

Em 2020 e 2021, vivemos 20 anos em dois. Estávamos caminhando para um processo de grandes mudanças indo de encontro ao futuro. No entanto, com a pandemia, tudo aconteceu de uma vez só. Sem pedir licença, o futuro chegou a galope, mal bateu em nossa porta, entrou em nossas vidas e virou tudo do avesso – ou do direito, vai saber…

Chegou de forma inesperada, agressiva, ampliada e modificou tudo: nossa forma de viver, de nos relacionar, de nos comunicar, de trabalhar e de gerenciar as nossas carreiras. Todos os padrões foram desconstruídos e os modelos que possuíamos do que funcionava e não funcionava não existem mais e precisaram ser urgentemente reconstruídos.

Neste novo contexto, percebemos que, em meio à altíssima abundância qualificada de profissionais, não basta ser apenas bom. É preciso ser um profissional diferenciado, antenado e que sabe se gerenciar de maneira estratégica como Marca Pessoal, de forma que seus clientes compreendam claramente quem você é e o que você tem a oferecer. Para tanto, é fundamental que todos os profissionais saibam pelo que querem ser lembrados, referenciados e reconhecidos.

Vivemos um momento de ressignificação das habilidades profissionais. É fundamental inserir o AUTOCONHECIMENTO e a AUTOEXPRESSÃO na gestão das carreiras para que consigamos alcançar os resultados e reconhecimento desejados e merecidos por todos os profissionais e empresas.

Somado a tudo isso, temos o aumento da longevidade. O mercado de trabalho atual é composto por uma pluralidade de gerações. Hoje, temos quatro gerações ocupando ativamente os postos de trabalho:

  • BABY BOOMERS (1946-1964),
  • GERAÇÃO X (1965 – 1980),
  • MILLENNIALS (1981- 1994),
  • GERAÇÃO Z (1995 – 2010),

Algumas pesquisas relatam que o grupo que mais ocupa as posições profissionais são os MILLENNIALS. Segundo as pesquisas realizadas em 2019 pelo ITAU BBA, os MILLENNIALS, que hoje representam 34% da população brasileira, serão 70% até 2030. Sendo assim, temos um cenário pautado por conflito de gerações, interesses e comportamento. Momentos de divergências geram novas necessidades, novas posturas, hábitos e olhares. Com este novo contexto, ocorreu a FLEXIBILIZAÇÃO e a RESSIGNIFICAÇÃO do nível de formalidade dentro dos ambientes profissionais. Porém, um grande número de profissionais estão em um processo de BANALIZAÇÃO do auto gerenciamento da sua carreira e isso é um grande risco neste novo mercado onde cada dia mais a concorrência aumenta de forma quantitativa e qualitativa.

Desconsiderar a importância de se gerenciar como Marca Pessoal em tempos em que a maioria dos relacionamentos acontece por meio de redes sociais, pode ser considerado quase que um suicídio profissionalEntregar a reputação da sua empresa na mão da sua equipe e não orientá-la do caminho a ser seguido é um risco que não aconselho empresa alguma a correr.

Afinal, antes de comprar o produto e/ou serviço da sua empresa, o cliente compra ou NÃO o seu colaborador. Antes de tudo, a relação tem que ser boa, tem que fluir e ser pautada pela confiança e pela empatia. Só assim o seu cliente vai desenvolver a segurança de negociar com a sua empresa.

Temos ainda um agravante: na era Google, podemos dizer que não existe mais passado morto e enterrado. As nossas escolhas, comportamentos e atitudes de hoje nos acompanharão por toda a nossa trajetória.  Ou seja, todas as ações positivas e/ou negativas de cada integrante da sua equipe contam e impactam na reputação corporativa e, por consequência, no faturamento da sua empresa.

Como consequência da pandemia, o home office teve que ser adotado de forma massiva para atender à urgência do momento e, agora, percebemos que ele veio para ficar. Com este novo formato, temos que ter uma atenção ainda maior para que não ocorra negligência na gestão da Marca Pessoal das equipes e que ela não reflita em desastres para a  Imagem e Reputação da empresa.

Afinal, branding não é mais apenas para empresas, uma marca pessoal bem-sucedida envolve gerenciar as percepções de forma eficaz, controlar e influenciar como os outros percebem e pensam em relação à determinada pessoa” (Rampersad, 2009).

Marca Pessoal não se constrói, todos já têm a sua. A diferença é que alguns a desconhecem, outros a negligenciam e outros a gerenciam de forma estratégica. O que a gestão estratégica da Marca Pessoal faz, em síntese, é ajustar e potencializar seus atributos diferenciadores junto à rede de relacionamento da sua equipe, tornando a Marca Pessoal única, forte, com mais credibilidade e, por consequência, MUITO MAIS VALIOSA.

Ao tomar consciência sobre os pilares da sua Marca Pessoal e começar a gerenciá-la, é possível interferir proativamente na forma como a sua equipe é percebida pela audiência e, com isso, fazer com que a sua percepção seja sempre valiosa e autêntica.

Este processo, entretanto, requer uma forma eficiente, ordenada e verdadeira de se gerenciar, compreendendo os atributos pessoais únicos, como: pontos fortes, habilidades, valores, reputação, networking, marketing pessoal, diferencial e paixões. Estas características são fundamentais para se diferenciar dos concorrentes e construir o seu espaço de forma estratégica no coração do cliente da sua empresa.

Como costumo dizer, em terra de iguais, quem tem um diferencial competitivo é rei.

pixabay.com

Importante ressaltar que gestão estratégica da Marca Pessoal  não é autopromoção.

Elas até podem caminhar juntas, uma pode fazer parte da outra, mas tem que ser de forma estratégica. Usando uma analogia, a autopromoção inadequada é como quando uma pessoa utiliza um megafone para anunciar a todos na rua o quanto ela é boa e porque devem contratá-la ou negociar com ela. Os profissionais que estiverem gerenciando a sua Marca Pessoal desta forma estão fazendo isso de forma muito errada.

Ao estabelecer sua marca, o profissional vai, na verdade, incentivar outras pessoas/ clientes a promoverem seus produtos e serviços. E, se executar tudo muito bem, pode até ser que alguém decida fazer isso em um megafone. Afinal, gestão da Marca Pessoal não é sobre você, mas sobre o que as pessoas percebem de você e como você pode ajudá-las”.

Os profissionais não podem ter medo de se posicionar. Mesmo que eles tenham a mesma atividade que centenas de outros profissionais no mercado, cada um é único. A forma de fazer e a experiência que cada um proporciona ao outro é única!

Tudo isso que eu disse até que não é mais novidade: ou todos os profissionais se percebem e se gerenciam como Marcas Pessoais de Valor ou vão ficar fora deste novo jogo e tirar a sua empresa de campo.

 A grande questão é: COMO e o QUE fazer para que a sua equipe se perceba e se gerencie como uma Marca Pessoal de Valor para que consigam se manter atrativos, desejados e valorizados pelos seus clientes mesmo em meio a toda esta loucura que estamos vivendo.

Posso dizer que não é algo fácil de ser feito, mas é muito simples e motivador. Afinal, ao se perceber como uma Marca Pessoal de valor, o seu colaborador se sente mais feliz, seguro, realizado, encorajado e feliz.

Um profissional feliz e seguro de si e da sua atuação é muito livre, criativo, ousado, dedicado e realizado.

Então, além de todos os benefícios acima, a gestão da Marca Pessoal da sua equipe vai deixá-la mais feliz. Com colaboradores mais felizes, eles estarão menos propensos a depressão e, como sabemos, a depressão é um dos grandes vilões do nosso mundo moderno.

Ainda tem alguma dúvida se a gestão estratégica da Marca Pessoal é vital para a sua empresa? 

Veja abaixo trechos desta matéria da HSM:

“A razão é simples: cada vez mais, empreendedores e executivos estão personificando como marcas de suas empresas. Por quê? De um lado, tem havido uma queda insistente no nível de confiança nas instituições, segundo os relatórios de confiabilidade da Nielsen. De outro, cada vez mais, “pessoas confiam em pessoas”, como destaca Ilana Berenholc, sócia da Ilana Berenholc Presença Executiva. Não é à toa que o personal branding está vivendo uma explosão nos últimos dois anos.

O resultado é que algumas empresas resolveram  investir em programas de branding executivo para reforçar seu lado humano no mercado e fazer, segundo Berenholc, com que mais consumidores se identifiquem com elas. Empreendedores e profissionais liberais também prestando praticando o personal branding.”

Ou seja, ajudar a sua equipe a se gerenciar e se perceber como Marca Pessoal de Valor será um dos melhores investimos que você fará na sua empresa.

Os seus lucros agradecem.

Espero que tenha contribuído para sua visão sobre a necessidade da Gestão Estratégica da Marca Pessoal da sua equipe. E esta é minha grande paixão, ajudar profissionais de RH a levarem soluções inovadoras de capacitação para suas empresas.  Sem falsa modéstia, sou uma grande especialista em ajudar pessoas e empresas A AUMENTAREM O POTENCIAL DE FATURAMENTO POR MEIO DA GESTÃO ESTRATÉGICA DA MARCA PESSOAL.

A  Marca Pessoal da sua equipe pode atrair ou repelir negócios para sua empresa. MUITO CUIDADO.

Lembre-se: cada colaborador  é um representante da sua empresa.

E não se esqueça: 100% dos clientes são Marcas Pessoais. 100% dos funcionários são Marcas Pessoais. Se você não entende de Marcas Pessoais, você não entende de negócios

Inspiração e adaptação da frase de Simon Sinek

. Desejando, podemos agendar um horário e tomar um café virtual DELICIOSO para falar mais sobre o tema.  Topa?

Leave a Reply

Post Comment